Capa | Biografia | Livros | Oficinas | Atividades Sugeridas | Agenda | Notícias | Fotos | Links

Textos

Comuna de Santa Rosa – 1940

(Os personagens são fictícios, mas as informações são verídicas, pesquisadas em fonte editada em 1940.)



Depois de uma tarde de fartas lides na lavoura, Emílio e os filhos mais velhos foram para casa. Martha, que já acabara as tarefas de trato aos animais, esperava-os com a mesa posta para o jantar e a casa invadida com o gostoso aroma que vinha da cozinha. Naquele dia havia algo que os fariam estender um pouco o horário de todos irem dormir e o candeeiro ficaria mais tempo aceso. Martha recebera, à tarde, o mensageiro que viera da sede do município trazer à família o “Guia Geral de Santa Rosa – Indicador Comercial, Profissional. Tipografia NEHLS. Santa Rosa – R. G. do Sul. 1ª Edição- 1940. Guia autorizada pela Prefeitura Municipal.”

Naquele final de tarde, os banhos foram mais rápidos do que de costume. Após o jantar, que fora servido mais cedo, reuniram-se todos ao redor da mesa para ouvir a leitura do Guia que trazia informações gerais da indústria, agricultura, pecuária, comércio, vias de comunicação, profissionais, remédios, educandários, vida social e política do município que havia completado nove anos recentemente. As primeiras páginas ostentavam homenagens com fotografias e todos chegaram ainda mais próximo do candeeiro para ver o “Exmo. Sr. Dr. Getúlio Vargas, eminente chefe da Nação, que desde 1930, vem conduzindo o Brasil para os altos destinos que lhe estavam reservados no conceito dos países americanos.” Na página seguinte, homenagem ao “Coronel Gordeiro de Farias, ilustre Interventor Federal no Estado, que tem se revelado um dos mais brilhantes colaboradores do Governo da República, na obra em que o mesmo está empenhando pelo soerguimento material e moral do Brasil Novo”. Vai para a próxima página, mostra-a aos filhos e faz questão de dizer:
– Este é nosso prefeito municipal, Capitão Pautilho Palhares.

Continuou a folhar as páginas do Guia e mostrou a fotografia das pessoas que trabalhavam na prefeitura. Apontou para a imagem do Inspetor de Ensino Municipal Fernando Albino da Rosa e lembrou:
- Ano que vem vamos matricular o Reinold. Está na hora deste menino aprender a ler. Não pode ficar sem instrução. O Guia informa que em1939, a “Instrução estava assim distribuída: 140 escolas Municipais com 7.120 alunos, 10 Grupos Escolares Estaduais com 1540, 42 escolas particulares com 2.100 alunos, totalizando 10.760 alunos.”

Folheou mais algumas páginas e parou na página da Delegacia de Polícia.
“A Delegacia de Polícia local, confiada à direção dinâmica e esclarecida do delegado Oscar Klein, durante o ano de 1939 teve o seguinte movimento. INDICAÇÕES PROCEDIDAS
Latrocínio – 1
Homicídios voluntários – 13
Homicídios involuntários – 5
Suicídios – 7
Mortes acidentais – 4
Lesões corporais – 18
Defloramentos – 7
Estupros – 6
Atentados ao pudor – 1
Moeda falsa – 1
Fuga da cadeia – 1
Furto – 3
Roubo – 4
Acidentes no trabalho – 2
Estelionato – 1
Injúria – 1
Não especificados – 3
Ocorreram 4 acidentes no tráfego com duas mortes por caminhões de carga, 1 por carroça, e 1 morte e sete feridos por ônibus.
Foram feitas 27 capturas de criminosos procurados pela Justiça deste município e de outros municípios do estado.
O registro de estrangeiros ascendeu ao número de 2.393, sendo 815 russos, 639 poloneses, 549 alemães, 68 italianos, 66 romenos, 55 argentinos, 44 austríacos, 38 japoneses, 27 letonios, 15 húngaros, 14 tchecos, 13 suecos, 12 lituanos, e de outras nacionalidades em numero menor.
Foram apreendidas 180 armas de fogo e 70 armas brancas.
Salvo-condutos expedidos 1040, sem contar as revalidações e vistos.
Os emolumentos cobrados pela Delegacia durante o ano de 1939 somam um total de 87.993$600 reis em selos estaduais e federais.
Embora faltem dados estatísticos completos sobre a criminalidade neste município durante os anos de 1936, 1937 e 1938, pode-se assegurar que a criminalidade durante o ano finde de 1939, diminuiu em mais de 60%, comparando-se com os anos anteriores, aumentando, entretanto, o número de vítimas causado por acidentes de veículos, que, em anos anteriores, era nulo e que em 1939 atingiu a 4 mortes e 7 ferimentos de certa gravidade, sem contar os ferimentos de natureza levíssima.”

Emílio interrompeu a leitura e observou os filhos dormindo apoiados na mesa. Olhou a página seguinte e falou:
– Olhe. Aqui tem o nome de um remédio para os meninos. Quando viajarmos até a sede, vamos comprar o Lombrífugo Serrano. Martha concordou com um aceno de olhos, também estava com sono, mas não contrariou o marido, olhou-o e o admirou pelo interesse em ler o Guia.
– Precisamos comprar algumas coisas que estão faltando. Vamos à “Casa Dapper – Baratilho de João Dapper Netto. Santa Rosa – Mercadorias em Geral, Grande sortimento de Fazendas, Miudezas, Ferragens, Louças, Seccos e Molhados, Compra e venda de produtos coloniais.”

Os olhos de Martha brilharam ao ouvir o marido ler “grande sortimento de fazendas”.
– O baile da Sociedade Concórdia será daqui a dois meses. Podemos comprar fazendas para um vestido e uma camisa – falou com voz baixa e sorriu quando viu o marido balançar a cabeça afirmativamente.

Emílio continuou a folhear as páginas e parou em uma cujo título chamou sua atenção. Leu-o em silêncio. Emocionado, disse à mulher:
– Este senhor Fernando Albino da Rosa escreve muito bem. Escreveu uma homenagem ao colono. Ouça uma parte, Martha. “Em vez do silêncio agreste e soturno do sertão, o rechinar dos carros, o buzinar dos automóveis, o ruído das máchinas, o silvar das fábricas, o canto das escolas e as aleluias do Progresso, da Paz e da Harmonia, como suprema glorificação do seu poder construtor, ó desbravador dos sertões, ó colono de Santa Rosa célula vital do Brasil.”

Olhou para Martha e sob a luz tênue do candeeiro, não percebeu os olhos marejados.
– Por hoje chega, amanhã continuaremos a leitura. Vamos dormir.

Martha chacoalhou os filhos para que fossem dormir na cama. Emílio disfarçou a própria emoção, fechou o Guia Geral de Santa Rosa -1940 e foi dormir. Amanhã continuaria a leitura.

Maria Inez Flores Pedroso
28/12/2014

 

 


 


Site elaborado pela wwsites - sites para escritores